5 discos que mudaram a vida de Andreas Kisser

Este ano, o Sepultura lançou Kairos, seu 12 º álbum de estúdio e estão em turnê desde então. O guitarrista Andreas Kisser, em entrevista ao Noisecreep, falou sobre os cinco álbuns que mudaram sua vida.

A Night At The Opera – Queen (1975)

Foi o primeiro disco que tive, entre 1979 e 80. Lembro que tive que convencer meu pai a comprar. Ele não gostava de Rock and Roll, só ouvia música brasileira e clássica. Adorei desde a primeira vez que escutei, especialmente a masterpiece “Bohemian Rhapsody”. Uma mistura perfeita de Rock, Folk e Música Clássica, ainda uma das minhas favoritas de todos os tempos.

Alive II – KISS (1977)

Um vizinho mais velho tinha uma coleção de discos incrível. Ele costumava fazer compilações em K7 para mim. Um dia, vi a capa do segundo disco ao vivo do KISS. Fiquei chocado, muito impressionado. Tive que comprá-lo. O KISS era uma das poucas bandas que era fácil achar discos no Brasil. O disco é intenso, com uma platéia que fez eu me sentir na arena. Também amo o quarto lado, com as faixas inéditas.

Paranoid – Black Sabbath (1970)

Quando ouvi a faixa-título pela primeira vez, fiquei louco. Tinha uma fita com ela gravada várias vezes, deixava rolar sem parar. Tinha um efeito hipnótico. Esse álbum conta com as músicas mais vigorosas e riffs mais conhecidos de todos os tempos. Eles mudaram a música com o som cru e pesado. É a melhor banda da história.

Ride The Lightning – Metallica (1984)

Com esse álbum vi a possibilidade de misturar agressividade e melodias de guitarras limpas. É um trabalho essencial. A primeira música que aprendi foi “The Call Of Ktulu”, a faixa instrumental. Foi um desafio. Era uma verdadeira escola aprender aquele tipo de riff. Em 1992, fiz uma jam com o Metallica, quando James Hetfield sofre o acidente que lhe causou queimaduras. Foi uma grande experiência.

Schizophrenia – Sepultura (1987)

Minha primeira experiência de gravação. Também foi minha estréia no Sepultura e ainda é um dos álbuns mais importantes de minha vida. É um disco muito intenso e cru. Gravamos em dois ou três dias e aprendi muito durante o processo. Meu estilo de tocar mudou, já que precisava adaptar algumas posições que os riffs pediam. Com esse álbum fomos apresentados ao mundo e nossas vidas mudaram. Foi como passar para outra fase da vida, de garoto para homem.

Fonte: Blog do Van Halen

leia mais

images

Rock para os namorados

Mês de junho… Sabe como é, né? Dia 12 é o Dia dos Namorados, e você aí, sem ideia do que fazer pra sua pequena… Ela já deve estar enjoada das mesmas coisas de sempre e tudo mais… Então, que tal você fazer um CD com umas músicas bonitinhas pra ela? Mas tem que ser […]

The-Ramones1

Cinco músicas originais e suas versões

Músicas boas sempre marcam as vidas das pessoas. Porém, muitas delas ficaram conhecidas mais pelos regravações do que por suas versões originais. Sendo assim, decidi separar algumas dessas sereníssimas canções para que possamos, juntos compará-las com seus respectivos covers. Vamos lá?   1- I fought the law     Em sua versão de 1966, vemos Bobby […]

2c8baa627f6911e2934722000a9f3cae_6

O que ouvir em uma viagem? A trilha sonora perfeita para “o pé na estrada”

Qualquer viagem começa com o planejamento – Onde ir? Depois da resposta a esta primeira pergunta, começamos a pesquisar locais para conhecer, os mais famosos, os mais recomendados, os mais conhecidos, os mais difíceis, os pontos turísticos e como chegar em cada lugar. Roteiros. Viajar é principalmente praticar o desapego. É desligar-se totalmente das preocupações que […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: