U2 – Turnê 360 GRAUS – O Maior Espetáculo Musical de Todos os Tempos

Por Sidney Filho
de São Paulo

Uma das situações mais impressionantes durante a turnê “360 Graus” do U2 é a devoção dos fãs da banda no mundo inteiro. Em São Paulo, já era possível conferir a grande quantidade de pessoas acampadas, aos arredores do estádio do Morumbi, ainda no início da semana que antecipava o primeiro show do dia 09 de abril. Já no sábado, a fila se tornava em momento de pura emoção. Era uma mistura de alegria, ansiedade, ganância dos cambistas e a tentativa de organização. Foi registrado um público de mais de 90 mil pessoas, só na primeira noite.

Os cambistas começaram a vender os ingressos, no início da manhã de sábado, por valores entre 600 a 1.000 reais. E fãs desesperados, que ainda não tinham ingresso, não mediam esforços e compravam. A cada hora a adrenalina ia subindo (principalmente, desse escriba aqui).

Sinceramente, nunca fui tão fã do U2, mas já tinha ficado bastante emocionado com relatos de amigos que já tinham ido nos shows. E como na minha adolescência fui um obcecado por informações sobre a História do Rock’n’Roll, acabei conhecendo a importância de uma banda como U2.

Então, logo a partir das 19h30, comecei a pesquisar os valores que os cambistas estavam cobrando, e quando mais se aproximava do início da banda de abertura (MUSE) mais o preço começava a desvalorizar. E posso dizer, que comprei o meu ingresso um pouco preocupado se era falso ou não. E fiz um bom negócio. Entrei no estádio do Morumbi, na terceira música do MUSE, e estava bem localizado. Aliás, banda esta, que fez uma apresentação emocionante, no decorrer da chuva que castigava os músicos. Um bom começo para o que estava por vir.

A estrutura dessa nova turnê do U2 é algo impressionante, o palco é cercado por verdadeiras “garras gigantes”, parecendo “patas de caranguejo” (como bom nordestino que sou, reparei nesse detalhe). O anúncio, que tudo iria ser gigantesco naquele momento, foi dado quando o relógio (“What time is it in the world”) começou a ser destruído e a música de “Trem das Onze” (Adoniran Barbosa) começou a tocar nas P.As. (caixas de som direcionadas para o público). O nervosismo era um sentimento único, e apareceram Bono Vox, Adam Clayton, Larry Mullen Jr. e The Edge. E já mandaram o hit “Even Better than the Real Thing”.

A estrutura de imagens e som do palco favorecia a qualquer pessoa, que pudesse estar mal localizada (atrás do palco), pois o um telão mostrava imagens dos músicos da banda se movimentando. Além disso, eles demonstraram uma total conscientização para quem estava atrás, e se apresentavam em todos os cantos. Eu pude assistir o show num lugar, que me deixou completamente impressionado e emocionado. Sobretudo, porque estar no momento como esse, sozinho e longe de todos aqueles de quem se AMA, é mais complicado ainda. Mas tudo bem.

A homenagem às crianças assassinadas no massacre na Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro do Realengo (RJ), foi especial, com os nomes de todas passando no telão, que tinha 360 graus. Depois de duas horas e meia de show, a banda mais importante do Rock Mundial (em todos os sentidos) saiu do palco ovacionada. Sinceramente, já fui para alguns shows e já tinha feito algumas seleções dos melhores que já tinha ido na vida (e, é claro que essa lista sempre muda). Mas esse espetáculo musical extrassensorial marcou a minha vida. Agora, eu entendo porque as pessoas do mundo saem emocionadas de um show do U2.

leia mais

images

Rock para os namorados

Mês de junho… Sabe como é, né? Dia 12 é o Dia dos Namorados, e você aí, sem ideia do que fazer pra sua pequena… Ela já deve estar enjoada das mesmas coisas de sempre e tudo mais… Então, que tal você fazer um CD com umas músicas bonitinhas pra ela? Mas tem que ser […]

The-Ramones1

Cinco músicas originais e suas versões

Músicas boas sempre marcam as vidas das pessoas. Porém, muitas delas ficaram conhecidas mais pelos regravações do que por suas versões originais. Sendo assim, decidi separar algumas dessas sereníssimas canções para que possamos, juntos compará-las com seus respectivos covers. Vamos lá?   1- I fought the law     Em sua versão de 1966, vemos Bobby […]

2c8baa627f6911e2934722000a9f3cae_6

O que ouvir em uma viagem? A trilha sonora perfeita para “o pé na estrada”

Qualquer viagem começa com o planejamento – Onde ir? Depois da resposta a esta primeira pergunta, começamos a pesquisar locais para conhecer, os mais famosos, os mais recomendados, os mais conhecidos, os mais difíceis, os pontos turísticos e como chegar em cada lugar. Roteiros. Viajar é principalmente praticar o desapego. É desligar-se totalmente das preocupações que […]

Comments

  1. Danibilly says:

    Olha, sinceramente eu pagaria mais pra ver o Muse do que o U2.
    Os fãs de plantão que me perdoem rsrsrs.
    Apesar de serem mais conhecidos, infelizmente e pro meu desgosto, como a banda da saga Crepúsculo, Muse puxa coisas do George Orwell, o criador de um dos melhores personagens de ficção de todos os tempos “the big brother” e a “policia do pensamento” . U2 é cool, mas eu prefiro muito, mas muito mais Muse. Espero que um dia eles retornem, mas como a atração principal e quem sabe, como sonhar ainda é de graça, na cidade verde-lodo Belém.

  2. Patrícia Tavares says:

    Em se tratando do U2, acho o conceito ZOO TV TOUR insuperável. Tudo aquilo que aconteceu no início dos anos 90, mudou para sempre as apresentações Pop Rock.

    E toda essa história já tem 20 anos.

    Tudo de bom!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: