5 perguntas para Sammliz – Madame Saatan


Heavy, trash metal, hard core, Madame Saatan é mais do que uma simples definição para o rock paraense. A banda formada por Sammliz (voz), Icaro Suzuki (baixo), Edinho Guerreiro (guitarra) e Ivan Vanzar (bateria) é, referência à parte,  um show explosivo com  pegada rock’n’roll.

Madame Saatan

Longe da terrinha, Belém/Pa, a trupe de Sammliz escolheu São Paulo para ganhar um horizonte maior. O som ganhou forma, novas influências e o reconhecimento do público local aumentou.  Neste embalo de  rock, descobertas e som pesado, o Durango95′ fez 5 perguntas para Sammliz.

Durango95′: A cena rocker no Pará cresce cada vez mais do ponto de vista quantitativo. O Madame Saatan, Euterpia, Cravo Carbono, entre outros, eram as referências musicais da terra em diferentes estilos. Hoje você acredita que falta bandas com qualidade para assumir a expressão e ser, digamos, “a cara da cena”? Repetir uma época em que bandas autorais movimentavam a cena independente com mais empenho, consideradas “cavalos de batalha” do período?

Sammliz

Sammliz

Sammliz: Cada geração vive o que lhe cabe no momento e querer que as coisas funcionem sempre do mesmo jeito é impossível . O ciclo se alterna entre fases boas e outras consideradas nem tão prolíficas, mas o fato é que elas jamais se repetirão. A época de ouro do Waldemar Henrique, o 24 Horas na Praça da República e todas aquelas bandas ícones constarão sempre nas memórias de quem as viveu ou ouviu falar. Faz parte da história do rock paraense. Somos crias desse passado e vivemos a geração citada por você acima junto a Euterpia, Cravo Carbono, Eletrola, Suzana Flag, entre outros. Engraçado que parece que foi há um tempão e fazendo as contas já é mesmo, não é? Como tudo passa rápido… Bem, acho que Belém nunca sofreu carência de banda no que se refere a quantidade, cidade pra fazer brotar banda de rock é essa, mas nem sempre ela é tão fecunda e isso é assim mesmo. Acho que hoje o rock não está isolado, ele faz definitivamente parte da cena cultural no Estado e não acho que faltem bandas com qualidade para dar uma “nova cara” a cena rocker no Pará. Todas são cavalos de batalha em busca de um lugar ao sol, desde as veteranas até as novatas. A “cara da cena” é essa miríade de bandas, artistas, agitadores, produtores, festivais grandes e pequenos, festas e o público novo que vem chegando junto. Vejo muita gente querendo audaciar, fazendo, produzindo e começando a dar a cara pra bater. Da música popular ao rock.

Durango95′: A mudança para São Paulo, um grande eixo musical e cultural, a proximidade com grandes festivais e uma cena mais fervilhante – quais foram as influências positivas para o som da banda? Qual o reflexo desse choque cultural e a adaptação para um novo público?
Sammliz

Sammliz - Madame Saatan

Sammliz: As influências positivas vieram exatamente das dificuldades que acompanharam nosso processo de mudança. Mesmo com as portas abertas que tivemos logo na chegada em SP passamos por um período complexo onde tivemos que nos readaptar a nós mesmos vivendo em uma situação nova e por isso estressante. Em relação ao público foi tranquilo já que ele costuma ser sempre caloroso (isso é do público do Brasil mesmo, penso eu). Quanto a influência no som da banda certamente a nova vida o afetou de forma positiva já que naturalmente amadurecemos. Nossas referências musicais de casa vieram conosco no sangue mas obviamente 3 anos em uma nova cidade, vivendo coisas novas, ouvindo e sentindo o que se apresentou tiveram profunda influência.

Durango95′: Amadurecer, tocar e fazer rock é o desejo de todos os jovens. O Madame Saatan ganha cada vez mais público de novas gerações, fã clube organizado e admiração. Qual seria a lição ou a grande descoberta desse período para manter sempre vivo o Madame Saatan?

Sammliz: Quase 8 anos de banda aprendemos a sobreviver a nós mesmos. Como em qualquer família ou empresa que passa por momentos bacanas, uns nem tanto e outros bem ruins. Jamais será fácil e se estamos nessa missão de fazer música juntos até agora é por que a gente realmente funciona bem como amigos, sócios e companheiros na alegria e na tristeza. Também acho que o bom humor e nosso espírito meio workaholic salvou nossa pequena nação, assim como a sorte de sempre encontrar gente de naipe incrível em nossa jornada que nos ajudaram e ajudam de alguma forma.

Durango95′: Qual a maior influência, ou entenda como lição, que o Madame Saatan poderia deixar para cena paraense e as bandas autorais?

Sammliz: Não podemos dar lição até porque estamos aprendendo em meio ao processo e que tipo de influência a gente poderá vir, ou não, a exercer em outros que estão na mesma missão em nossa cidade eu realmente ainda não sei. Cada qual traça e vive sua história única. O que posso dizer é que qualquer coisa é possível desde que se trabalhe pra isso com uma dose cavalar de comprometimento. Se vai se jogar de cabeça em um projeto que o faça de verdade ou conviva com uma eterna ponta de frustração a vida toda. Se quer ser músico, ter banda, beleza…. vá! Mas vá com força, tente tudo e da melhor forma possível. Estude, toque com gente melhor que você, conheça, viva o estilo de vida e veja se é isso mesmo. Aprenda a se autoproduzir, aja com honestidade, faça shows como se não houvesse um amanhã, não culpe o governo, não reclame de falta de espaço, falta de apoio e deixe de mimimi. Em suma: se vira, cabôco!

Madame Saatan

Durango95′: Um novo disco em breve. Quais são as novidades do Madame Saatan com esse álbum?

Sammliz: O disco já foi gravado e está na fase da mixagem. Não deve demorar tanto o lançamento, que acontecerá em Belém, e o que posso dizer sobre o álbum é que ele virá mais pesado.

O Madame Sataan não é “cavalo de batalha” do rock paraense, mas tem admiração e respeitos de todos que fazem e vivem o rock independente embaixo da linha do equador.

Madame Saatan  na rede:

Site | Twitter |

leia mais

images

Rock para os namorados

Mês de junho… Sabe como é, né? Dia 12 é o Dia dos Namorados, e você aí, sem ideia do que fazer pra sua pequena… Ela já deve estar enjoada das mesmas coisas de sempre e tudo mais… Então, que tal você fazer um CD com umas músicas bonitinhas pra ela? Mas tem que ser […]

The-Ramones1

Cinco músicas originais e suas versões

Músicas boas sempre marcam as vidas das pessoas. Porém, muitas delas ficaram conhecidas mais pelos regravações do que por suas versões originais. Sendo assim, decidi separar algumas dessas sereníssimas canções para que possamos, juntos compará-las com seus respectivos covers. Vamos lá?   1- I fought the law     Em sua versão de 1966, vemos Bobby […]

2c8baa627f6911e2934722000a9f3cae_6

O que ouvir em uma viagem? A trilha sonora perfeita para “o pé na estrada”

Qualquer viagem começa com o planejamento – Onde ir? Depois da resposta a esta primeira pergunta, começamos a pesquisar locais para conhecer, os mais famosos, os mais recomendados, os mais conhecidos, os mais difíceis, os pontos turísticos e como chegar em cada lugar. Roteiros. Viajar é principalmente praticar o desapego. É desligar-se totalmente das preocupações que […]

Comments

  1. Serve hoje e servirá sempre de inspiração a Banda Madame Saatan para nos filhos da terra Parafernia como eles, não somos da mesma epoca mais assim que escutei me identifiquei assim como toda banda até levamos um cover de Vela nos nossos shows por aqui fica aqui minha adimiração grande fã hoje.
    Foi bom ver as ideias e as opiniões de Samy por aqui estou realmente deslumbrado com o tamanho que essa banda tem por ai abraço !

  2. filipelaredo says:

    Concordo contigo, Leo. A banda merece toda a admiração que recebeu e tem tudo pra conseguir se destacar em qualquer lugar do Brasil e do mundo.

  3. Sammliz says:

    Marcelo, utilizei a expressão “cavalo de batalha” me referindo ao seu sentido original “cheval de guerre” (quando os cavalos da nobreza era especialmente ornamentados para se afirmarem diante dos outros cavalos). Quis dizer que estão todos tentando dar o melhor de si em meio a grande batalha que é fazer e viver de música e portanto meu conjunto se encaixa também. Não moramos mais em Belém mas não deixamos de ser um dos representantes do rock paraense.:)
    Obrigada pela entrevista.
    beijo!

    Samm

    • filipelaredo says:

      Confiamos na lealdade do seu grupo, Sammliz. Sabemos que vocês representam o rock paraense em qualquer lugar que forem. Mas lembremos que São Paulo é Brasil, Brasil é América Latina, América Latina é planeta Terra e a arte é universal. Fazer arte em qualquer lugar do mundo é um direito de todos, mas não esquecer suas raízes é sabedoria de poucos.

  4. Nossa, adorei a entrevista Marcelo. Senti uma veia jornalística em você… =P
    E também amei saber que o novo disco vai ser lançado aqui (Belém). Agora é só esperar para poder se jogar no mosh..

  5. J.Tavares says:

    Sammlinda!!!!!!!!

  6. Bruna M says:

    Aêeeeeeeeee arrebenta Madame!
    que venha o novo disco, estão todos ansiosos.

    Linda Samm!

  7. “Roendo as unhas” pelo próximo disco!

  8. Volta logo Madame!

  9. Madame Saatan é a renovação do som pesado brasileiro.
    Bom poder acreditar no rock’n roll heavy brazuca novamente.
    Vida longa à família Saatan.
    Vida longa ao metal brasileiro.

Trackbacks

  1. […] Link para conferir a entrevista exclusiva que a vocalista Sammliz Samm deu para o Durango95′  […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: